JMJ 2019: As experiências nos dois primeiros dias de pré-jornada

A repórter Ana Cláudia Mesquita tem feito a cobertura da pré-jornada Mundial da Juventude 2019. Ela é do Setor Juventude, e cursa jornalismo. Vejam um pequeno resumo dos dois primeiros dias da pré-jornada, os dias 15 e 16 de janeiro, marcantes na vida da jovem.

Ana Cláudia Mesquita, conta suas experiências nos primeiros dias da pré-jornada da JMJ2019

A repórter contou que no dia 15 de janeiro, “pela manhã, se iniciou a pré-jornada, começamos o dia com uma catequese, cujo tema era ‘conhecendo a nossa casa’, conhecendo Colón. Não era só a história de Santa Maria da Antiguidade, padroeira do Panamá. Era um pouquinho da história do Panamá, de Colón, isso tudo, na catequese, na paróquia. Depois da catequese, fomos ver, na prática, as ruas da cidade, pra conhecer as pessoas, como a cidade foi se desenvolvendo, como está crescendo, enfim, andar mesmo”.

Foi uma bela caminhada. No final passamos no passeio marítimo, onde acontecem as festas da noite, ficamos juntos, tiramos várias fotos, e depois fomos a um hotel, Hotel Washington. Um passeio bem turístico pra nós, com os voluntários daqui, sempre falando sobre Colón e sua importância. Voltamos para almoçar e depois rezamos juntos o Santo Rosário, cada país rezando um mistério. Desta vez, o Brasil não rezou. À noite foi a Missa da inauguração, muito bonita. O evangelho foi lido em espanhol, inglês e polonês, seguindo-se a cada leitura, uma pequena homilia. Foi um dia muito lindo. E eu ainda comemorei meu aniversário, e fizeram uma festa surpresa pra mim, mas isto não tem importância jornalística”, disse  Ana Mesquita.

Já no dia 16 de janeiro, a repórter, nos contou que ao acordar, os peregrinos da Arquidiocese de Niterói foram “passear um pouco, visitar algumas igrejas. Fomos à Catedral, que é dedicada a Nossa Senhora da Conceição. Depois, à paróquia da Medalha Milagrosa, e nos contaram um pouco da história do local, que era habitado por pessoas de muito dinheiro, que depois se mudaram e hoje é ocupado pela classe média baixa,  que recebem muito bem as pessoas”.

Ana Mesquita exemplificou que no Santuário do Carmo, onde ela está, “são 5 missas dominicais, e é considerado um santuário, porque vem muita gente”.  Ainda segundo ela, o grupo foi visitar o Canal do Panamá, ou melhor, uma parte dele, que fica em Colón. “Fomos todos juntos!”, enfatizou a repórter.

Não sei se já falei sobre isso, mas aqui no Santuário, somos 300 peregrinos, de várias nacionalidades, Brasil, Porto Rico, México, Santa Luzia, Polônia e Chile. Mesmo com essa diversidade de nação e de língua, estamos nos comunicando, falando muito bem e nos divertindo. Durante os intervalos, dançamos, comemoramos, aprendemos um pouco das outras línguas, desfrutamos o tempo uns com os outros, conhecendo as diferentes culturas. Hoje dançamos quadrilha e o pessoal quer que ensinemos o samba. Enfim, estamos aprendendo bastante uns com os outros”, finalizou Ana Mesquita.

Acompanhe, nas Rede Sociais da Arquidiocese e na Rádio Anunciadora, os peregrinos da Arquidiocese de Niterói, na Jornada Mundial da Juventude 2019.

Por João Dias/Ana Mesquita
Fotos e vídeo: Ana Mesquita
Edição: João Dias/Thiago Maia

O post JMJ 2019: As experiências nos dois primeiros dias de pré-jornada apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*