Padre Douglas escreve sobre as lições de São José em 2020

O ano de 2020 nos ofereceu uma oportunidade totalmente nova para celebrarmos a Solenidade do padroeiro da Igreja Universal e do nosso Seminário. No último dia da novena preparatória para a Solenidade, já com o Seminário vazio, Pe.Tomson nos dizia, na homilia, que talvez, nunca em nossa história celebramos a Festa de S. José como celebraríamos neste ano. Da mesma forma, nos lembrava que celebraríamos da maneira mais próxima da vida de S. José: discrição, silêncio e simplicidade…

No salmo da Missa da Solenidade, rezávamos: “Eis que a sua descendência durará eternamente.” (Sl 88) De fato, precisamos nos sentir membros da descendência de S. José, o qual é definido, por nós, como nosso Pai e Senhor. O Salmo se refere à descendência de Davi, mas podemos aplicá-lo a José. Com isso, nos sentimos e nos reconhecemos abençoados, porque somos da sua família. Por sermos seus devotos, seus filhos, não podemos desperdiçar seu ensinamento.

Todos nós temos a graça de poder entrar em sua escola, que não entra em quarentena, e acolhe todos e nos oferece, hoje e sempre, três lições: obediência, fé e humildade. O Evangelho da missa da Solenidade afirma que depois de ouvir o anjo, durante o sono, José fez conforme lhe fora dito. Parece até uma certa alucinação e/ou loucura do Homem Justo, mas, na verdade, estamos diante de um homem que obedece porque crê e crê porque é humilde.

Ao longo das poucas páginas que relatam a vida de S. José, encontramos um homem que nos dá uma lição rara nos dias atuais: OBEDIÊNCIA. Atualmente, parece que a virtude da obediência virou algo raro e antiquado. Tudo tem que ser à base do diálogo, da conversa… Não estamos defendendo a tirania, o autoritarismo, mas onde fica a obediência em nossa vida? Na atual conjuntura, à luz do exemplo de S. José, deveríamos nos perguntar o que entendemos, ao afirmarmos: Honra teu pai e tua mãe; Não matarás. A vida de S. José nos dá um exemplo claro de um homem obediente, que obedece a Deus e a todos aqueles que falam em Seu nome e representam Sua autoridade.

No meu tempo de seminarista, era comum ouvirmos falar da “obediência irrestrita ao Papa, ao colégio universal dos bispos, ao bispo… Hoje, ao contrário, parece que virou moda questionar os bispos e até o Papa. Quantos teólogos da internet e das redes sociais se arrogam o direito de falar em nome da Igreja… Quem lhes deu esse direito? Não estamos negando o sacerdócio dos fiéis, nem o sensus fidei e/ou o sensus fidelium. MAS onde fica a obediência Josefina em nossa vida? Onde fica a Hierarquia da Igreja? Onde fica a autoridade de Deus, a autoridade de Cristo e daqueles que O representam?

Na verdade, a lição da obediência de José tem origem na sua FÉ. Estamos diante de um homem que crê, um homem fiel. Sua obediência nasce da sua fé em Deus, na Sua Palavra e nos seus representantes. Parece até que S. José já tinha aprendido o que aprendemos com o Catecismo, quando dizemos: creio no Espírito Santo, na Santa igreja Católica. Na verdade, parece que nossa crise de obediência, no cenário eclesial, na verdade é uma crise de fé. No fundo, nosso ato de fé, diferente do que vemos em José, está marcado pelo subjetivismo, pela imaturidade e superficialidade.

Mas de onde vêm essa fé e, por consequência, essa obediência? Qual a verdadeira razão para José ser um exemplo emblemático e atual de fé e obediência? Provavelmente, a resposta está na terceira lição que S. José nos dá: a HUMILDADE.

S. José é o exemplo claro daquele que não segue o homem velho ou o velho Adão. José não quis ser “como Deus”, como descreve o livro do Gênesis. Sabia seu lugar de filho de Deus. José não precisava lutar para ser reconhecido, não teve que lutar contra seu orgulho ou sua inferioridade. Ele sabia seu lugar! Exatamente por isso, foi grande, foi considerado justo. Sua humildade foi o terreno fértil para nascer a fé e a obediência.

Infelizmente, já nos especializamos na escola de Adão! Deixemos as cadeiras de sua sala de aula e nos matriculemos na Escola de S. José. Aprendamos com ele! Sigamos o exemplo do novo Adão, e sejamos mais um, dentro da casa da Sagrada Família, onde sempre temos algo para aprender.

De fato, a vida de S. José continua sendo uma lição vital para todos nós! As poucas páginas evangélicas, que narram a vida de S. José, precisam estar em nossas mãos, nossos corações e nossas mentes, para fermentar nossa vida!

Por fim, aprendamos a fazer algo, que nos tem feito falta e nos incomoda, na vida de S. José: SILÊNCIO!

Por Padre Douglas

O post Padre Douglas escreve sobre as lições de São José em 2020 apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*