Atualidades

São Basílio Magno, luminário da Capadócia

São Basílio conheceu Cristo mais profundamente e retomou a amizade com Jesus Hoje, recordamos três nomes e três amigos em Cristo Jesus. Reconhecidos como luminários da Capadócia, região da Turquia, são eles: Gregório, seu irmão de sangue, São Basílio Magno e o amigo São Gregório Nazianzeno. Dois irmãos de sangue, três grandes amigos em Cristo […]

O post São Basílio Magno, luminário da Capadócia apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

MEMÓRIA DE SANTOS BASÍLIO E GREGÓRIO, BISPOS E DOUTORES

(branco, pref. do Natal, ou dos pastores – ofício da memória) Velarei sobre as minhas ovelhas, diz o Senhor; chamarei um pastor que as conduza e serei o seu Deus (Ez 34,11.23s). Basílio e Gregório nasceram na atual Turquia, ambos no ano 330. Companheiros de estudos, consolidaram forte amizade mútua, a qual favoreceu sua caminhada […]

O post MEMÓRIA DE SANTOS BASÍLIO E GREGÓRIO, BISPOS E DOUTORES apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

DOM JOSÉ FRANCISCO – 54º Dia Mundial da Paz

O Papa Francisco escreveu uma atualíssima mensagem para o DIA MUNDIAL DA PAZ, intitulada: A CULTURA DO CUIDADO COMO PERCURSO DE PAZ. Nessa hora, eu  também perdi meu pai, ter cuidado e ser cuidado é tudo de que precisamos. Ele começa falando da crise sanitária Covid-19, e se solidariza com o sofrimento de todos. Ele diz: “Lembro de modo especial os médicos, enfermeiras e enfermeiros, farmacêuticos, voluntários, capelães e funcionários dos hospitais e centros de saúde, que se prodigalizaram – e continuam a fazê-lo – com grande fadiga e sacrifício, a ponto de alguns deles morrerem, quando procuravam estar perto dos doentes a fim de aliviar os seus sofrimentos ou salvar-lhes a vida. Ao mesmo tempo que presto homenagem a estas pessoas, renovo o apelo aos responsáveis políticos e ao setor privado para que tomem as medidas adequadas a garantir o acesso às vacinas contra a Covid-19 e às tecnologias essenciais necessárias para dar assistência aos doentes e a todos aqueles que são mais pobres e mais frágeis.” O Papa recorda que nas Escrituras, encontramos nosso Deus como um Deus cuidador.  Ao se aproximar dos doentes e os curar e perdoar, Jesus se revela como o Bom Pastor cuidador, o Bom Samaritano cuidador.  A Igreja, inspirada em Cristo, sempre procurou responder às urgências de cada momento histórico, através de instituições de alívio à fragilidade humana: hospitais, albergues, orfanatos, e tantas mais. O cuidado como promoção da dignidade da pessoa, o cuidado do bem comum, o cuidado como salvaguarda da natureza, foram sempre a marca da presença da Igreja no mundo. No centro de tudo, sempre, o cuidado. Essa é a bússola dos estatutos sociais, necessária para promover uma nova cultura da proteção e da promoção dos direitos humanos fundamentais, inalienáveis e universais. Por isso, o Papa, corajosamente, propõe a criação de um “Fundo mundial”, com o dinheiro que se gasta em armas, para eliminar a fome, e assim contribuir para o desenvolvimento dos países mais empobrecidos, que é onde, geralmente, se alastram as epidemias. “Neste tempo, em que a barca da humanidade, sacudida pela tempestade da crise, avança com dificuldade à procura dum horizonte mais calmo e sereno, o leme da dignidade da pessoa humana e a bússola dos princípios sociais fundamentais podem consentir-nos navegar com um rumo seguro e comum.” A todos deixo meu abraço, com votos de paz em 2021, e a minha bênção.

O post DOM JOSÉ FRANCISCO – 54º Dia Mundial da Paz apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

PADRE DOUGLAS – Felizes os temem o Senhor e trilham seus caminhos

Se existe algo de que todos nós gostamos e desejamos, esse algo é a felicidade. Mas ao mesmo tempo em que nós a buscamos, que nós a desejamos, parece que em muitos momentos da nossa vida, nos sentimos perdidos e sem saber o caminho para alcançar essa felicidade, para experimentá-la em nossa vida. O Salmo 127 nos oferece um caminho. Uma receita simples, prática, concreta, para que nós alcancemos a felicidade, que tanto buscamos e desejamos: “Felizes os que temem o Senhor e trilham os seus caminhos”. Provavelmente, somos homens e mulheres tementes a Deus, honramos a Deus, nós O amamos. Mas é preciso que nos perguntemos, se também nós, trilhamos os Seus caminhos. Não basta que sejamos tementes a Deus. O mundo está cheio, repleto, de homens e mulheres tementes a Deus, celebrando o Natal, tementes a Deus, fazendo tantas outras coisas, que não condizem também, com o próprio Natal e com a nossa fé. Porque são homens e mulheres que temem a Deus, mas não seguem os seus caminhos. Um bandido, que é capaz de matar outra pessoa, tatua um terço no seu braço, pendura um terço no pescoço e se considera temente a Deus, mas não trilha Seus caminhos. O político corrupto que rouba, e não tem medo de continuar roubando, nem pesa em sua consciência, o que faz, também se diz temente a Deus. Talvez até vá à missa todos os domingos, mas não trilha os Seus caminhos. Todos nós corremos o mesmo risco, de sermos tementes a Deus, mas não trilharmos os seus caminhos, não seguirmos a sua proposta, não  vivermos a sua palavra, em nossa vida, de cada dia. E sem dúvida alguma, se existe um ambiente privilegiado para aprendermos a temer o Senhor e trilhar os seus caminhos, esse ambiente é a nossa família. Por isso, a Igreja reconhece a família como uma célula vital da sociedade, onde eu e você aprendemos a ser homem, a ser mulher, a ser cristão, e a viver como cristãos. Ao celebrarmos, na oitava do Natal, a festa da Sagrada Família, a liturgia nos coloca diante de um exemplo concreto. Não estamos diante de ideias, de abstrações, estamos diante de um homem, de uma mulher e de uma criança: Jesus, Maria e José. Uma família completa, como a minha, como a sua, porque Deus, na verdade, quis entrar no mundo, como eu e você entramos, graças a um homem e uma mulher. Assim, somos convidados pela liturgia, a contemplar a Sagrada Família de Nazaré e contemplar a nossa família. Desse modo, precisamos deixar brotar do coração o sentimento de gratidão. Gratidão a Deus, porque como pai, cuida de nós, como pai nos fez nascer também no seio de uma família, mais ainda, gratidão aos nossos pais, sem os quais nós, hoje, não estaríamos aqui. Talvez até nós pudéssemos ter tido uma experiência dolorosa, com nosso pai, com nossa mãe! Talvez nem tenhamos uma experiência forte e positiva de família, mas sem nosso pai e sem nossa mãe, não estaríamos aqui. Por isso, é preciso um mínimo de ação de graças, hoje, no coração de cada um de nós. É preciso que, de fato, nos perguntemos, como estamos vivendo como família? Como vivemos o mistério da família no hoje de nossa vida? Curiosamente, ao celebrarmos o Natal, as pessoas dizem, é a festa da família, é quando a família se reúne. Mas e os outros 364 dias do ano? A família não se reúne mais? Não se encontra? Não se fala? Não troca presentes? Só tem um dia do ano pra ser família, pra viver como família? É preciso que nós nos deixemos interpelar pela palavra do Eclesiástico (Eclo 3,3-7.14-17ª) que faz um eco do 4º mandamento da Lei de Deus, que aprendemos na Catequese e sabemos de cor: “Honrar pai e mãe”. Mas o autor sagrado nos lembra que o 4º mandamento é o único que é acompanhado de uma promessa, quando Deus, no Deuteronômio (5,16) diz, “Honra teu pai e tua mãe, como aprendeste do Senhor, para que vivas longos dias e sejas feliz, na terra que o Senhor teu Deus te dará.” É a certeza que temos de que honrar pai e mãe traz uma bênção, traz pra nós uma graça, porque na verdade, honrar pai e mãe, é, no fundo, honrar o próprio Deus, que é nosso Pai, que nos pastoreia e nos guarda através de um homem e de uma mulher. Nosso pai e nossa mãe, na realidade, são sinais, na nossa vida, do próprio Deus. Por isso nós os honramos, por isso que nós os obedecemos, por isso é que somos dóceis, ou deveríamos ser, às suas orientações, porque vemos neles, o próprio Deus que cuida de nós. Assim, lemos no Eclesiástico: “Meu filho, ampara teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive.” Vejam que concreto, o seguinte: “Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo para com ele, não o humilhes em nenhum dos dias de sua vida,” e termina o autor, “a caridade feita ao teu pai não será esquecida, mas servirá para reparar os teus pecados.” É o coração concreto de um filho, que retribui ao pai tudo o que um dia fez por ele. É o cuidado de um filho que reconhece naquele pai a imagem de Deus, que é pai e por isso cuida, e por isso zela, zela mesmo quando custa, quando é exigente. Nós já fizemos esta experiência, quando,  até de certa forma, vamos perdendo a paciência com nossos pais, de certa forma, também nos cansamos, porque às vezes, eles repetem várias vezes a mesma coisa, e até nos cansam. Às vezes, sentimos até que parece que eles estão perdendo, de fato, a lucidez. Caberá a nós o cuidado, o zelo, a atenção e pensarmos que um dia, eles fizeram o mesmo conosco. Quanto nossos pais sofreram também, cuidando de nós, quantas noites mal dormidas, quanta paciência tiveram conosco, quando nós não falávamos direito, quando não nos alimentávamos direito, […]

O post PADRE DOUGLAS – Felizes os temem o Senhor e trilham seus caminhos apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

SOLENIDADE DE SANTA MARIA, MÃE DE DEUS

(branco, glória, creio, prefácio de Maria I – ofício da solenidade) Salve, ó Santa Mãe de Deus, vós destes à luz o Rei que governa o céu e a terra pelos séculos eternos (Sedúlio). Após um ano de dores e provações trazidas pela pandemia, encontramo-nos para a primeira Eucaristia do novo ano civil. Mãe de […]

O post SOLENIDADE DE SANTA MARIA, MÃE DE DEUS apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

Solenidade de Maria Santíssima com o Papa Francisco

Amanhã dia 1º de janeiro, a partir das 6h (horário de Brasília), a Rádio Anunciadora e as Redes Sociais da Arquidiocese de Niterói transmitem, diretamente do Vaticano, a Solenidade de Maria Santíssima e 54° Dia Mundial da Paz, com o Santo Padre Francisco. Acompanhe aqui: Por João Dias Artes: Thiago Maia Fotos: Vatican Media – reprodução autorizada

O post Solenidade de Maria Santíssima com o Papa Francisco apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

São Silvestre I – Papa do início da Igreja

São Silvestre I, era um homem piedoso e santo, mas de personalidade pouco marcada São Silvestre I apagou-se ao lado de um Imperador culto e ousado como Constantino, o qual, mais que servi-lo se terá antes servido dele, da sua simplicidade e humanidade, agindo por vezes como verdadeiro Bispo da Igreja, sobretudo no Oriente, onde […]

O post São Silvestre I – Papa do início da Igreja apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

QUINTA-FEIRA DA OITAVA DO NATAL

(branco, glória – ofício próprio) Um menino nasceu para nós: um filho nos foi dado! O poder repousa nos seus ombros. Ele será chamado “Mensageiro do conselho de Deus” (Is 9,6). Jesus, o Verbo encarnado, é a luz da verdade diante da qual cada pessoa precisa tomar posição. Renovemos o propósito de seguir sempre os […]

O post QUINTA-FEIRA DA OITAVA DO NATAL apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »

Celebrações com o Papa Francisco nas Redes Sociais e Rádio

Amanhã, dia 31 de dezembro, as Redes Sociais da Arquidiocese e a Rádio Anunciadora transmitem as Vésperas e o Te Deum de Ação de Graças, pelo ano que passou, com o Papa Francisco. A transmissão tem início às 13h (horário de Brasília) diretamente de Roma. Acompanhe aqui: E no dia 1º de janeiro, a partir das 6h (horário de Brasília), a Rádio Anunciadora e as Redes Sociais da Arquidiocese de Niterói transmitem, diretamente do Vaticano, a Solenidade de Maria Santíssima e 54° Dia Mundial da Paz, com o Santo Padre Francisco. Acompanhe aqui: Por João Dias Artes: Thiago Maia Fotos: Vatican Media – reprodução autorizada

O post Celebrações com o Papa Francisco nas Redes Sociais e Rádio apareceu primeiro em Arquidiocese de Niterói.

Leia Mais »